Hackers roubam dados para chantagear empresas

Hackers roubam dados para chantagear empresas

3. Gestão de Empresas

Especialistas do setor de segurança da informação no Brasil estão preocupados com o aumento de sequestro de dados de empresas brasileiras. Apenas em 2015, a procura de vítimas de ataques virtuais por soluções da empresa E-TRUST mais do que dobrou. Isso mostra que os usuários estão se sentindo vulneráveis, procurando alternativas que lhes protejam de ataques cibernéticos.

Cerca de 20% das empresas brasileiras apontaram os atos de organizações criminosas como fontes de incidentes de segurança, segundo a 7º Pesquisa Global sobre Crimes Econômicos da PWC (PricewaterhouseCoopers), divulgada em agosto desse ano. Isso faz com que o Brasil fi que na terceira colocação entre os países com os maiores índices de sequestro de dados.

De acordo com Dino Schwingel, CEO da empresa E-TRUST, um dos motivos para o crescimento desses ataques é a mudança na estratégia dos hackers, que diminuíram o valor de resgate e aumentaram o número de alvos. “Até um ano e meio atrás, os criminosos exigiam valores altos para a devolução dos dados, sendo que na maioria das vezes as vítimas não tinham recursos para pagar a chantagem e arcavam com os transtornos de um sistema bloqueado. Percebendo que estavam perdendo tempo e dinheiro, os hackers começaram a diminuir drasticamente os valores de resgates. Então o que antes era prejuízo virou algo lucrativo, porque a vítima passa a pensar o que é melhor: pagar este valor baixo e recuperar todos os dados ou ter que formatar o computador e perder todas as informações sigilosas”, explica.

Hoje, as ameaças digitais estão mais sofisticadas, diferente de antes, por exemplo, quando um e-mail desconhecido era enviado com um link suspeito, de acordo com os dados, 62% dos casos relatados geraram prejuízos maiores que US$ 100 mil para as empresas. “Para um ataque ser bem  sucedido, bastam algumas horas. Mas, para a empresa perceber esse ataque, pode levar meses, ou até anos”, explica Fernando Carbone, diretor de Forensic Technology Services da PwC Brasil, na 7º pesquisa Global sobre Crimes.

A dica para as empresas ficarem salvas de ataques é deixar os dados e sistemas protegidos por um antivírus atualizado e, também, realizar cópias de dados confidenciais, os chamados backups, em drivers externos (ou seja salvar fora da máquina).

Deixe uma resposta

Fechar Menu
Fale aqui
1
Olá, tudo bem !
No que posso te ajudar ?
Powered by