Estratégia de Bolsonaro contorna partidos

Estratégia de Bolsonaro contorna partidos

O presidente eleito Jair Bolsonaro segue três estratégias para a montagem de seu ministério: a criação de superestruturas, o protagonismo das Forças Armadas, sobretudo do Exército, e a diminuição do poder dos partidos, buscando pontes diretas com setores da sociedade e com bancadas transversais no Congresso. É um desenho inédito na história brasileira sob Estado de Direito, com consequências imprevisíveis no Legislativo.

O governo que mais se aproximou deste esquema de Bolsonaro foi o de Fernando Collor (1990-1992), ainda que as diferenças entre um e outro sejam significativas. Também Collor montou um Ministério da Economia, entregue à economista Zélia Cardoso de Mello, mas não há como compará-la a Paulo Guedes. Ela não teve a carta branca que Guedes recebeu para preencher a Caixa, o Banco do Brasil, o BNDES, o Ipea, a Petrobras.

Guedes não só terá mais poder do que Zélia teve como se relaciona com o presidente de maneira diferente. O economista com formação em Chicago deu um lastro de credibilidade a Bolsonaro no mercado financeiro ao entrar na campanha, em novembro do ano passado. No caso de Zélia era o inverso, ela recebia credibilidade do presidente que a empoderou.

O futuro ministro da Economia desta maneira é um dos eixos da estratégia de Bolsonaro de estabelecer pontes diretas para fora do mundo político. Collor tentou isso também nos anos 90 com outros ministros, mas de maneira bem mais acanhada. Ozires Silva, o ex-ministro de Infraestrutura, atraía uma parte do empresariado, mas não se comparava a Sergio Moro, que chefiará um Ministério da Justiça vitaminado e que liga Bolsonaro ao sentimento pró-Lava-Jato, um dos mais fortes motores políticos da sociedade no momento.

No governo Collor não havia bancadas transversais no Congresso com a mesma força que existem hoje e o sistema partidário era bem mais sólido. Bolsonaro as fortaleceu de modo inédito. Pela primeira vez no Brasil bancadas como a dos ruralistas tiveram não só o poder de indicar um ministro (Tereza Cristina, da Agricultura e Luiz Carlos Mandetta, da Saúde) mas de fazer vetos, como foi o caso da bancada evangélica, que impediu a nomeação do especialista Mozart Neves Ramos para a pasta da Educação. O escolhido atende à linha ideológica do ministério, já presente na escolha para o Itamaraty, Ernesto Fraga Araújo:

As bancadas transversais normalmente não atuam de forma coordenada e em demandas que não lhes sejam específicas, ainda que alguma convergência haja entre os segmentos da bala, evangélico e ruralista. A questão é se substituirão partidos no momento em que Bolsonaro for votar temas amargos de sua agenda administrativa. O primeiro teste desta estratégia será a eleição das mesas diretoras da Câmara e do Senado.

Qualquer resultado diferente da reeleição de Rodrigo Maia para a presidência da Câmara e de um emedebista para o comando do Senado indicará que os partidos perderam, além do voto popular, também a influência do Poder Legislativo. Uma vitória de Maia e do MDB poderá significar o fracasso da estratégia bolsonarista e a rendição do governo a algum grupo que demonstre controlar o Congresso.

A figura central na esfera militar é a do general Augusto Heleno, que dá ao GSI uma dimensão muito maior do que a natureza do cargo. O general Heleno já deu diversas demonstrações da ascendência que exerce sobre o presidente eleito. A institucionalidade, contudo, confere mais poder ao general Mourão, o vice-presidente eleito. O general Mourão disse ter recebido poderes de coordenação dentro do governo. A se confirmar, se tornará um dos vices mais poderosos da história, comparável a José Alencar, que foi ministro da Defesa de Lula e Michel Temer, por alguns meses coordenador político do governo Dilma, o tempo suficiente para repassar o mapa das posições no Legislativo. É diferente de ser um vice influente, como foi o discreto Marco Maciel, atuante na aprovação de reformas durante o governo Fernando Henrique.

 

FONTE: VALOR ECONOMICO

Deixe uma resposta

Fechar Menu
Fale aqui
1
Olá, tudo bem !
No que posso te ajudar ?
Powered by