Novo indicador revela que 62% dos brasileiros não guardam dinheiro

Novo indicador revela que 62% dos brasileiros não guardam dinheiro

Um novo índice, chamado de Indicador de Reserva Financeira, divulgado pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) em parceria com a Confederação Nacional dos Dirigentes Lojistas (CNDL), reuniu dados sobre a quantidade de brasileiros que conseguiram guardar algum dinheiro no último mês. O objetivo da pesquisa, que passa a divulgar mensalmente seus resultados, é acompanhar a evolução deste hábito, que ainda é muito fraco no país.

De acordo com o primeiro resultado analisado, 62% dos entrevistados afirmaram não ter guardado nenhuma quantia no mês de janeiro. Dentre os que conseguiram reservar uma parte dos seus rendimentos, cerca de 29% guardaram apenas o que sobrou do orçamento e somente 7% costumam reservar um valor fixo todo mês.

O indicador mostrou também que a maioria desses poupadores habituais (de quantias fixas ou não) pertencem às classes A e B, somando 58% dos entrevistados, como esperado. Já entre as classes C, D e E o índice foi de apenas 30% dos brasileiros. Para o presidente do SPC Brasil, Roque Pellizzaro, o brasileiro não tem o hábito de poupar e, quando poupa, na maioria das vezes a poupança é o que sobra do orçamento, e não algo planejado.

Questionados sobre a economia que fizeram em dezembro, mês anterior a pesquisa, os resultados foram ainda mais alarmantes. A maioria (75%) disse que não conseguiu reservar nada de sua renda e apenas 23% afirmaram que conseguiram guardar algum dinheiro.

Os baixos índices de brasileiros que conseguem ou tem o hábito de guardar dinheiro mensalmente pode ser associado a atual crise econômica que está afetando todo o país. “É notável que a maioria dos brasileiros não reservou parte de seu dinheiro em dezembro, inclusive quem pertence a classes de alta renda. A crise econômica certamente tem seu papel no resultado da baixa poupança. Com o crescimento do desemprego, o orçamento familiar tornou-se mais apertado e, em alguns casos, insuficiente até para honrar compromissos já assumidos”, explica Pellizzaro. “Também pesa o fato de a renda média dos brasileiros que mantiveram seus empregos ainda ser baixa, independentemente da crise.”

Em relação aos motivos que levam os brasileiros a economizar, 43% disseram que é para se proteger contra imprevistos como doenças e morte de entes, 31% por medo do desemprego, 27% poupam pensando no futuro, 24% guardam para a realização de um sonho de consumo, 23% citam planos de viagem e 18% possuem o desejo de compra ou quitação da casa própria.

O principal destino do dinheiro guardado ainda é a caderneta de poupança, citada na pesquisa por 62% dos entrevistados, mas o que chamou mesmo a atenção foi o índice de pessoas que ainda preferem guardar suas economias em casa, um total de 20% dos entrevistados. Entre os outros tipos de investimentos estão os fundos de investimentos (10%), Previdência Privada (6%) e outras opções de investimento em renda fixa e Bolsa de Valores (menos de 5% do total).

A reserva financeira com foco na aposentadoria foi citada por apenas 17% dos entrevistados, o que representa um percentual muito baixo diante da atual situação do país.

Enquanto uma reforma nas regras da aposentadoria está sendo discutida pelo Governo, o assunto torna-se cada vez mais urgente. Especialistas alertam que os brasileiros devem começar a dar mais atenção para seus rendimentos o quanto antes, pois diante do alto nível de desemprego e da grave crise econômica, a longo prazo muita gente acabará tendo que reduzir seu padrão de consumo ou até mesmo acabará dependendo de terceiros para ter uma velhice confortável.

Deixe uma resposta

Fechar Menu
Fale aqui
1
Olá, tudo bem !
No que posso te ajudar ?
Powered by