Caixa terá R$ 43 bilhões de novas linhas de crédito imobiliário

Caixa terá R$ 43 bilhões de novas linhas de crédito imobiliário

A CAIXA anunciou há pouco medidas para facilitar a vida dos brasileiros neste momento desafiador diante da pandemia do coronavírus. O banco de todos os brasileiros anunciou nesta quinta-feira (9) um pacote de ações para proteção e estímulo ao setor da construção civil.

Segundo o presidente da CAIXA, Pedro Guimarães, serão mais de 5 milhões de famílias beneficiadas, preservando mais de 1,2 milhão de empregos. São cerca de R$ 43 bilhões de recursos injetados na economia que contribuem para a sustentabilidade da carteira habitacional e manutenção da adimplência das operações.

“Tínhamos R$ 111 bilhões em linhas novas, que anunciamos há duas semanas. Desses, já emprestamos mais de R$ 35 bilhões. E agora estamos anunciando, naquele que é nosso carro-chefe, R$ 43 bilhões, o que gera um total de R$ 154 bilhões. Volume extremamente relevante”, disse, completando que isso permitirá que as empresas continuem trabalhando.

As ações anunciadas são destinadas a pessoas físicas e empresas. As medidas valem a partir da próxima segunda (13).

As pessoas físicas terão as seguintes vantagens:

  • Pausa da prestação de seu financiamento por 90 dias pelo APP Habitação CAIXA;
  • Para quem utiliza o FGTS para pagamento de parte da prestação, pausa na parcela não coberta pelo FGTS por 90 dias pelo APP Habitação CAIXA;
  • Pagamento parcial da prestação do financiamento por 90 dias;
  • Prazo de carência de 180 dias para contratos de financiamentos habitacionais de imóveis novos;
  • Liberação antecipada de até 2 parcelas na fase de obras da construção individual, sem a necessidade de vistoria;
  • Renegociação de contratos habitacionais pessoa física em atraso, permitindo pausa ou pagamento parcial das prestações.

Veja também as novas medidas para Empresas:

  • Antecipação de até 20% dos recursos do Financiamento à Produção de empreendimentos para início de obras;
  • Antecipação da liberação dos recursos correspondentes a até 3 meses para obras em andamento e sem atrasos no cronograma;
  • Liberação de recursos de Financiamento à Produção não utilizados pela empresa nos meses anteriores;
  • Pausa no Financiamento à Produção de 90 dias;
  • Pagamento parcial da prestação do Financiamento por até 90 dias;
  • Para projetos com obras concluídas e em fase de amortização, inclusão ou prorrogação de carência por até 180 dias;
  • Prorrogação do início das obras por até 180 dias.

Fonte: CAIXA

Deixe uma resposta

Fechar Menu
Fale aqui
1
Olá, tudo bem !
No que posso te ajudar ?
Powered by